Sinto vergonha de mim. Acabei de dar os últimos cinquenta centavos que eu tinha na vida para a igreja das Testemunhas de Jeová. Com esse dinheiro eu poderia ter comprado:

– Um bombom serenata;

– Duas caixas de fósforo;

– Cinco balas freegels;

– Dois Derby Azul a varejo;

– Uma cartolina branca;

Ou seja, muita coisa mais produtiva.

O pior é que a mocinha que veio até aqui me evangelizar, parecia ter sofrido uma lobotomia, de modo que mesmo que eu estivesse interessada no que ela dizia, eu não conseguiria compreender nada. E a fortuna que eu doei para que eles continuem convencendo pessoas de que doar sangue é algo não permitido por Deus, foi em troca de uma revista que fala sobre o dilúvio. A justificativa da mocinha é que muitos jovens hoje se perguntam porque Deus salvou Noé. O que eu ando vendo por aí é muitos jovens perguntando se a erva é mesmo da boa. Até porque, Noé, Moisés, Davi, quem é quem mesmo? Já eu quero mesmo saber de Deus porque não nasci neta do Roberto Marinho. O resto das dúvidas, creio que os pós-estruturalistas dão conta.

(Muitos mesmo’s num mesmo parágrafo. Resolvi não ser tão caxias e ter mais benevolência com os meus vícios de escrita.)

Anúncios